Os consoles da 6ª geração: PS2, Xbox e GameCub


A sexta geração de videogames foi marcada pelo lançamento de aparelhos com capacidades similares (com exceção do Dreamcast, que é quase um caso a parte). Foi uma era em que a discussão sobre quantidade de "bits" e de polígonos se tornou praticamente irrelevante: a questão principal passou a ser como as especificações técnicas impactariam na qualidade dos jogos.

A visão mais megalômana veio da Sony, até por conta da personalidade de seu porta-voz: Ken Kutaragi, o "pai do PlayStation", afirmou que o PlayStation 2 seria capaz de criar gráficos tão realistas que poderiam transmitir emoções, e até nomeou o processador principal de Emotion Engine.

Exageros a parte, o segundo console da Sony se tornou extremamente popular, a ponto de virar o console mais vendido de todos os tempos, com mais de 150 milhões de unidades saídas das prateleiras. O videogame ainda não saiu de linha e ainda recebe lançamentos como "Pro Evolution Soccer 2012" e "FIFA 2012".

Microsoft entra no páreo e ombreia com Nintendo
Os rivais contra-atacaram cada uma a sua maneira. O Xbox, estreia da Microsoft no mercado de consoles, apostou no poder da internet e criou a primeira rede online exclusiva para videogames. A Xbox Live virou um caso de sucesso e, hoje em dia, todas as fabricantes de consoles tem sua própria rede online.

Já o GameCube seguiu suas convicções: apesar de a Nintendo ter dado o braço a torcer e adotado mídias óticas, procurou equipar o console com memórias que serviram para minimizar o acesso ao disco - e assim diminuir o tempo de "loading", uma questão crucial para a companhia japonesa.

Além disso, trabalhou para integrar o console com os portáteis, algo que deve acontecer com maior frequência nos próximos anos com o PlayStation 3/PS Vita e o Wii U/Nintendo 3DS. Apesar disso, a Nintendo amargou o terceiro lugar nessa geração, perdendo até para a "novata" Microsoft e seu Xbox.


O que são?

PlayStation 2
Sucessor do PlayStation, tornou-se o videogame mais vendido de todos os tempos, com mais de 153 milhões de unidades comercializadas no mundo todo. Foi lançado em 4 de março de 2000 no Japão, em 26 de outubro do mesmo ano nos EUA e em 18 de outubro de 2009 no Brasil.

Xbox
Primeiro console lançado pela Microsoft, o Xbox é um videogame com arquitetura de PC e foi um dos primeiros a ter uma rede online para partidas multiplayer. Saiu em 15 de novembro de 2001 no EUA e em 22 de fevereiro de 2002 no Japão. Não foi lançado no Brasil. Vendeu 24 milhões de unidades no mundo todo.

GameCube
Primeiro videogame da Nintendo a usar discos óticos, o GameCube perdeu para os consoles da Sony e Microsoft em vendas, com "apenas" 21,74 milhões de unidades saídas das prateleiras, marcando o pior momento da Big N até então. O lançamento aconteceu em 14 de setembro de 2001 no Japão, em 18 de novembro do mesmo ano nos EUA e em 23 de agosto de 2002 no Brasil.


Diferenciais

PlayStation 2
Ainda que estivesse longe da perfeição, o console era retrocompatível com o PlayStation (e fazia melhorias em determinados games). Além disso, conseguia ler filmes em DVD, e ajudou a popularizar o formato de disco.

Xbox
Foi o primeiro videogame a ter um disco rígido de fábrica, eliminando, assim, o uso de cartões de memória para salvar os jogos, como era o caso dos concorrentes GameCube e PlayStation 2.

GameCube
Tem memória específica para guardar temporariamente os dados contidos nos discos. Assim, os "loadings" eram bem mais rápidos que nos consoles da concorrência. O tempo de espera era uma questão crucial para a Nintendo.


PS2: Jogos e séries marcantes

Trilogia "Grand Theft Auto III": a franquia estabeleceu uma fórmula para jogos de mundo aberto com temática de violência urbana e virou um dos maiores sucessos da história dos games.

"Metal Gear Solid 2" e "3": com esses jogos, o diretor Hideo Kojima entrou definitivamente para o panteão das lendas, reafirmando a linguagem cinematográfica no mundo dos games. E ainda conseguiu fazer dois "Zone of the Enders".

"God of War I" e "II": com nudez e alto grau de violência, a franquia deu novo padrão de qualidade - tanto no visual como na trilha sonora - para os jogos de ação e combate, e virou clássico instantâneo.

"ICO" e "Shadow of the Colossus": com estilo introspectivo, os dois games surpreenderam ao proporcionar emoções genuínas, algo raro encontrar até hoje.

Série "Winning Eleven": foi no PlayStation 2 que o futebolístico chegou ao ápice e formou uma legião de esportistas de sofá.

"Okami": a Clover Studios, subsidiária da Capcom, teve vida curta, mas o suficiente para criar essa obra-prima da orientalidade. "Okami" marcou época pelo seu grafismo, que parece ter uma aquarela, e pelo sistema de controlar um pincel para fazer intervenções no cenário.

Jogos da Square-Enix: o que falar de uma produtora que lançou "Final Fantasy XII", "Kingdom Hearts II" e "Dragon Quest VIII", alguns dos melhores games para a plataforma da Sony?


Xbox: Jogos e séries marcantes

Série "Halo": embora sua campanha single-player não seja unanimidade, tem um modo multiplayer efervescente e mostrou que consoles também podiam fazer bons games de tiro em primeira pessoa. Com sua alta popularidade, conquistou o posto de jogo mais vendido do Xbox de todos os tempos.

Série "Splinter Cell": apesar de ter sido lançado para várias plataformas, a franquia estrelada por Sam Fischer tem o Xbox como "casa" (assim como "GTA" sempre foi associado ao PlayStation 2). É um jogo de espião com a grife de Tom Clancy, escritor de romances militares, e a melhor versão sempre foi da "caixa".

Jogos da BioWare: com "Star Wars: Kinights of the Old Republic", a produtora que hoje cuida dos RPGs da Electronic Arts fez seu nome. Mais que isso, criou uma fórmula de sucesso para o gênero, com sistema de múltiplas opções de diálogos e decisões morais, que depois seria aproveitada em "Jade Empire".

"Ninja Gaiden": releitura de um game da década de 80, o título estrelado por Ryu Hayabusa impressionou pela dificuldade, violência e refinada mecânica de jogo. Apesar de ser japonês, o game saiu apenas no Xbox por preferência pessoal de Tomonobu Itagaki, líder do time que fez "Ninja Gaiden" e "Dead or Alive 3".

"Forza Motorsport": resposta da Microsoft para "Gran Turismo", tornou os simuladores de direção muito mais palatável para o grande público, e não somente para aficionados, por trazer mecanismos de assistências para novatos.


GC: Jogos e séries marcantes

"The Legend of Zelda: Wind Waker" e "The Twilight Princess": o primeiro "Zelda" do GameCube gerou polêmica devido aos gráficos de desenho animado, mas passado o susto, estava ali um game inventivo como sempre fora. E a versão de "Twilight Princess" para o console é considerada a mais autêntica.

"Super Mario Sunshine": é um legítimo game da linha principal de "Super Mario Bros." e traz a inventividade de sempre da série. Mesmo carregando o fardo pesado de suceder a obra-prima "Mario 64" conseguiu se destacar e é um dos melhores jogos do GameCube.

"Super Smash Bros. Melee": depois de uma ótima estreia no Nintendo 64, a série que coloca personagens famosos da Nintendo para digladiarem entre si ganhou muito mais conteúdo e virou um dos jogos multiplayer mais divertidos do GameCube.

"Mario Kart: Double Dash!!": a série de corrida sempre rendeu bons títulos, e isso não foi diferente no GameCube. Embora não seja considerado um dos melhores "Mario Kart", ainda mantém o alto nível e trouxe novidades, como o sistema de dois pilotos por carro.

"Metroid Prime" e sua continuação: poucas vezes uma série clássica fez uma transição tão acertada quanto em "Metroid Prime". O console recebeu dois ótimos games de tiro e exploração em primeira pessoa protagonizados por Samus Aran e feitos pela Retro Studios.

Série "Resident Evil": a franquia de zumbis nasceu no PlayStation, mas na geração seguinte o GameCube foi a principal plataforma para os mortos-vivos da Capcom. Enquanto durou, a parceria exclusiva com a Nintendo rendeu os excelentes "Resident Evil" (remake), "Resident 0" e "RE 4".

Série "Pikmin": é mais uma série de sucesso que sai da cabeça de Shigeru Miyamoto, criador também de "Mario Bros." e "The Legend of Zelda". O jogo encantou pela fofura das criaturas que dão nome ao jogo e pelo cenário detalhado.


Momentos de superação

PlayStation 2
Os games da fase madura surpreenderam pela qualidade técnica, com algumas características que só seriam vistas na geração seguinte de consoles. É o caso de "Black" com seus cenários destrutíveis e "Shadow of the Colossus", que trazia efeitos de "borrão de movimentos".

Xbox
O lançamento de "Halo 2" foi, além de uma realização tecnológica, um grande "case" de marketing. Com uma campanha luxuosa e um intrigante jogo de realidade alternada chamado "I Love Bees", "Halo 2" iniciou a era dos blockbusters nos videogames e se tornou o maior título do Xbox.

GameCube
Cada um dos "Resident Evil" lançados para o GameCube tinham gráficos magníficos, mas "Resident Evil 4" superou todas as barreiras, com efeitos visuais de cair o queixo. Uma das partes mais impressionantes é a fase do pântano, com chuva e trovoadas, que ficou prejudicada na versão para PS2.


Momentos "fail"

PlayStation 2
Revisões de hardware são comuns nos videogames, mas o modelo SCPH-75000 trouxe problemas de travamento em diversos jogos, como "Tekken 5". Além disso, dezenas de jogos para PlayStation tinham problemas para rodar nessa versão do videogame.

Xbox
O primeiro controle da "caixa" era enorme e desconfortável. Diante de tanta reclamação (e o título de "mico do ano" dado pela GameInformer), a Microsoft tornou padrão o modelo S do controle, mais compacto, inicialmente lançado para o mercado japonês.

GameCube
Embora fosse um hardware que agradasse os produtores de jogos, o GameCube ficou em terceiro lugar na guerra da sexta geração de consoles. O lançamento tardio em relação ao PS2 e a pouca quantidade de jogos, principalmente para o público maduro, fez com que ficasse atrás até mesmo do Xbox em vendas.


Acessórios curiosos

PlayStation 2
EyeToy: desenvolvido na Europa, essa minicâmera permitiu jogar sem usar controles, apenas com o gesto do corpo. De uma maneira bem mais simples, pode ser considerada a inspiração do Kinect, acessório do Xbox 360.

Xbox
Controle S: o console da Microsoft não teve muitos acessórios relevantes. Talvez a maior contribuição tenha sido o controle "S", mais compacto e ergonômico, que foi planejado no Japão e acabou substituindo o original, que era gigante e mal visto.

GameCube
WaveBird: da própria Nintendo, é uma versão sem fio do controle do GameCube. Pode-se dizer que antecipou uma tendência, já que todos os consoles da geração seguinte tiveram controles sem fio.


Nenhum comentário

Encontrou algum erro na postagem acima? Comunique-nos deixando um comentário. A equipe do Porta E7 agradece.

Tecnologia do Blogger.