Novelas: Da Cor do Pecado


Da Cor do Pecado é uma telenovela brasileira que foi produzida e exibida pela Rede Globo no tradicional horário das 19 horas entre 26 de janeiro e 28 de agosto de 2004 com 185 capítulos. Foi escrita por João Emanuel Carneiro com a colaboração de Ângela Carneiro, Vincent Villari e Vinícius Vianna, e dirigida por Denise Saraceni.

Contou com Taís Araújo, Reynaldo Gianecchini, Giovanna Antonelli, Sérgio Malheiros, Alinne Moraes, Aracy Balabanian, Lima Duarte, Rosi Campos, Tuca Andrada e Guilherme Weber nos papeis principais.

Sinopse

Primeira Fase 

Na década de 1970, o empresário Afonso Lambertini tem um romance com uma copeira da sua mansão, Edilásia, que engravida de gêmeos. Afonso é marido de Sílvia, mulher de saúde frágil a quem ama, e abre o jogo para a esposa. Esta aceita criar os dois meninos, porém Edilásia não permite e insiste em criar os dois. Germana, a governanta da casa e grande amiga de Afonso e Sílvia, propõe então que Afonso e Sílvia criem um filho e Edilásia crie o outro. Assim nascem os gêmeos. Pouco tempo depois, Sílvia morre, mergulhando Afonso em depressão e o destinando a viver sua vida dentro de sua enorme mansão, saindo apenas para administrar suas enormes empresas do Grupo Lambertini.

Trinta anos depois, Paco, filho de Afonso, é um botânico bastante dedicado à sua profissão e que não concorda nem um pouco com os atos do pai, que desmata e queima para realizar seus empreendimentos. Paco nem suspeita que possui um irmão gêmeo e nem sabe que sua mãe biológica, Edilásia, existe, pois pensa ser filho de Sílvia. Numa viagem para o Maranhão, Paco conhece Preta, linda moça negra de São Luís do Maranhão que vende ervas na barraca junto com sua mãe, Lita. Paco a conhece numa roda de dança de Tambor de crioula, em que Preta dança provocantemente, olhando para ele, com seu vestido rodado e colorido, cheio de decotes e babados. É amor à primeira vista e eles trocam juras de paixão eterna, porém Preta está desconfiada de que um homem branco e rico a ame de verdade, pois ela é negra e pobre e sabe que um branco rico a usaria fácil. Porém Paco é noivo de Bárbara, mulher ardilosa de caráter completamente desviado e que fará de tudo para que o romance dos dois acabe e ela fique com a herança de Afonso, saindo assim da decadência financeira em que vive. Bárbara é falsa, manipuladora, cruel, desonesta e muito preconceituosa, pois odeia negros e costuma se referir à Preta de 'neguinha', a acusando sempre de safada, vagabunda e interesseira, quando na verdade é ela que é isso tudo. Preta dará muitas surras em Bárbara.

Enquanto isso, Apolo vive com sua mãe Edilásia e seus quatro meio-irmãos: Ulisses, Thor, Abelardo e Dionísio na beira da praia, com uma vida simples, porém bastante afetuosa. Edilásia, chamada pelos filhos de Mamuska é uma mulher divertida, porém rígida e triste por ter deixado o outro filho, Paco, nas mãos de um homem poderoso como Afonso. Seu falecido marido, Napoleão Sardinha, fora um grande lutador de luta livre e é venerado por toda a família, que também pratica o esporte. Apolo não sabe a verdade e pensa ser filho de Napoleão, segundo marido de Edilásia que aceitou criar e registrar Apolo ainda recém-nascido.

A história também tem outros núcleos, como o de Pai Helinho, um falso pai-de-santo maranhense, amigo de Preta, que enrola as pessoas fingindo ter visões e incorporações, sempre com a ajuda de seu fiel parceiro, Cezinha. Tem as divertidas confusões de Edu e Verinha, os pais trambiqueiros de Bárbara, que são divorciados e que adoram fazer pose de bacana, mas que vivem na maior dureza, sendos sustentados por Bárbara. Os dois apoiam completamente o golpe da filha sobre Paco, só para poderem sair da decadência em que vivem. Na trama ainda tem Moa, uma surfista apaixonada pelo esporte e que acaba se envolvendo com Apolo, Ulisses, Thor, Abelardo e Dionísio, confundindo a vida dos cinco. E ainda há a história de Kaíke, o amante de Bárbara cego de amor e que fará tudo o que a moça pedir, incluindo armadilhas para separar Paco e Preta.

É em uma dessas armadilhas em que Paco se desilude com Preta: Kaíke e Bárbara fazem parecer que Preta comprou quase cinquenta mil reais em eletrodomésticos e móveis para a sua casa, usando os cartões de crétido do namorado, e ainda o traiu com seu ex, o marginal Dodô, comparsa de Bárbara em algumas de suas armações. Ao mesmo tempo, Paco descobre que Bárbara está grávida dele - quando na verdade o filho é de Kaíke - e tem uma briga feia com seu pai. Logo, Paco descobre que Bárbara é amante de Kaíke, e fica uma fera com ela. A víbora convence Afonso á internar Paco numa clínica para loucos. Tudo isso culmina numa viagem de helicóptero de Paco com Bárbara. Ao mesmo tempo, Apolo e Ulisses estão viajando pelo Brasil com um veleiro. Numa noite, os irmãos hospedam alguns homens com aparência estranha. Ulisses descobre que eles estão transportando quase cem milhões de dólares em ouro, roubados do Grupo Lambertini. Ao saberem que Ulisses descobriu a mentira, os homens tentam matá-lo, porém Apolo impede e é "morto", caindo no mar juntamente com todo o ouro. Os homens então, fogem. Na manhã seguinte, Paco, louco de rancor da vida, joga o helicóptero onde estava com Bárbara ao mar. A safada escapa, porém ele fica preso após ela bater um ferro na sua cabeça. Quem o salva da morte é Ulisses, que coincidentemente estava no mesmo lugar. Ulisses, ainda louco de culpa pela morte do irmão, julga que Paco é Apolo, pois os dois são perfeitamente idênticos. Paco então prova a Ulisses que não é Apolo, e os dois ficam intrigados. Ulisses, porém, não tem coragem de contar à mãe que seu filho "favorito" morreu e sugere a Paco que fique no seu lugar. Vendo uma chance única de abandonar a vida cercada de falsidades e brutalidades de todos os que convivem à sua volta, podendo começar uma nova vida do zero, Paco aceita. Ao mesmo tempo, no Maranhão, Preta tem duas notícias: a primeira é que Paco, o amor da sua vida, morreu. A segunda é que ela está grávida de Paco.

Segunda Fase 

Oito anos se passam. Paco ainda está no Maranhão com Ulisses, se preparando para a volta para casa. Preta é mãe de Raí, menino peralta porém de bom coração, e quer provar que o menino é filho de Paco. Para isso, vai a cidade do Rio de Janeiro, após a morte de Lita, sua mãe. Lá está Bárbara e seu filho problemático Otávio, maltratado pela mãe. Bárbara se casa com Tony, um empregado de Afonso inescrupuloso e calculista. Os dois armarão de tudo para que Preta não prove que Raí é filho de Paco. Agora, Paco - (fingindo ser Apolo) - e Ulisses estão de volta, e as vidas de todos - Paco, Preta, Bárbara, Tony, Raí, Otávio, Afonso, Germana, Edilásia e Kaíke - irão mudar com a volta e a descoberta para alguns deste irmão gêmeo:Apolo, que não estava morto, apenas desmemoriado!


Curiosidades

-  Exibida entre 26 de janeiro e 28 de agosto de 2004 em 185 capítulos, e dividida em duas fases: A primeira ocorre em 1996 e perdura pelos primeiros vinte e um capítulos, permanecendo a segunda até o fim da novela.
- A partir do capítulo 21, entra no ar a segunda fase da novela, aberta com uma cena mostrando Raí (Sérgio Malheiros) caminhando pelas ruas de São Luís, considerada uma das mais bonitas da novela. Essa cena rendeu um dos índices mais altos de audiência durante toda a exibição, e a partir dela a audiência da novela começou a subir.
- A princípio, Afonso seria misteriosamente assassinado, deixando no ar a pergunta "quem matou Afonso Lambertini?" até o último capítulo. Mas o autor mudou de planos para evitar mais comparações com Celebridade, a novela das 8 na época, que também tinha um crime misterioso, pois a trama de Da Cor do Pecado era muito associada pela imprensa com a da novela de Gilberto Braga. O assassinato de Afonso, que aconteceria no capítulo 120, foi adiado para o 160, já que o personagem tinha um grande carisma entre os telespectadores. De fato a morte do personagem de Lima Duarte emocionou tanto o público, que o autor colocou na cena final do último capítulo - que mostrava Raí (Sérgio Malheiros) brincando com Otávio (Felipe Latgé) - flashbacks dos momentos felizes do empresário ao lado do neto.
- O falecido marido de Edilásia, Napoleão Sardinha, foi "interpretado" pelo aposentado Jamil Hamdan, então com 70 anos de idade, que foi "encontrado" pela produção da novela quando batia um papo no Rio de Janeiro.
- A Petrobras fez merchandisings na trama, como num fictício torneio de surfe, mostrando que a estatal apóia eventos de esporte amador. Outro merchandising foi a participação de Carolina Dieckmann, em 5 capítulos, como uma bióloga do Projeto Tamar, de preservação de tartarugas-marinhas, patrocinado pela empresa. A participação de Carolina foi ao ar na semana de 23 a 28 de fevereiro de 2004.
- A novela foi incluída na campanha "Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania", feita na Câmara dos Deputados em Brasília. As denúncias ficaram por conta de algumas cenas de nudez e sexo consideradas impróprias para o horário. Curiosamente, a trama teve muitas cenas de violência incompatíveis com o horário que, na exibição original, não foram alvo de queixas. Pelo sim, pelo não, tais cenas foram editadas - e algumas totalmente cortadas - no Vale a Pena Ver de Novo.
- A obra bateu o recorde de novela brasileira mais vendida para o exterior: 100 países, depois de Terra Nostra, com 95 e em seguida O Clone em 90 paises.
- A Família 'Sardinha' fez um grande sucesso entre o publico,a mãezona Mamuska com seus filhos marmanjos lutadores e a perigosa perua Tina, entraram para o gosto do publico e até hoje são muito lembrados principalmente pela Sopa da Força, seu ingrediente secreto foi um mistério na trama, e a imagem do papusso já falecido em uma quadro na sala, a imagem dele mudava de acordo com a situação do momento.

Audiência

Teve média geral de 43 pontos e conseguiu o 1º lugar nas audiências das novelas das 19 horas da década de 2000. Seu último capítulo teve média de 50 pontos , 55 de pico e 69% de participação.

Créditos: Wikipédia

Nenhum comentário

Encontrou algum erro na postagem acima? Comunique-nos deixando um comentário. A equipe do Porta E7 agradece.

Tecnologia do Blogger.